Quem é você?

Ontem eu assisti televisão. Coisa que eu não faço a algum tempo. Então, em algum desses canais abertos, estava passando um programa, que eu acho que se chama “10 anos mais nova”. Nem lembro direito.

Esse programa realmente me chamou a atenção. A produção escolhe uma pessoa que está “descontente” com a sua aparência, rolam entrevistas e tal, mostrando como o fato de ser “feia” deixa a pessoa infeliz DE VERDADE. Sim, parece mesmo de verdade, que a felicidade daquela pessoa depende de como ela parece. Ou com o que ela parece.

Mas, teve uma hora que foi muito legal. Colocaram a pessoa em uma cabine transparente, parecida com essas telefônicas onde o Clark Kent entrava e saía voando com a cueca vermelha por cima da calça, e a equipe de reportagem ia perguntando na rua se os transeuntes achavam a pessoa bonita, quantos anos achavam que ela tinha, o que poderia mudar na aparência dela.

Depois, mostravam pra pessoa o que o povo havia dito dela.

Mostravam que ela era realmente infeliz. Nossa, que triste.

Daí, uma sequência de tratamentos de beleza, dos mais modernos disponíveis, banhos de loja, e etc. E a pessoa ficava feliz de novo, ao se olhar no espelho e ver que agora, REALMENTE, ela estava como ela queria! Feliz MESMO!

Milagroso, não?

Essa pessoa vai morrer. Mais cedo ou mais tarde, ela vai virar pó. A essência dela continuará existindo, mas o corpo… pó.

Qual a importância de se sacrificar para ficar “bonita”?

Sim, é importante estar contente com a sua aparência. Mas é ainda mais importante entender o porquê de você ter essa aparência nesse momento de sua vida. Sinais de envelhecimento (ou qualquer outra característica física tida como “feia”) não são, ou não deveriam ser, motivos pra pessoa ser infeliz. O problema é que nós estamos muito preocupados com o que as outras pessoas vão achar de nós, de quão “bonitos” nós estamos, de quanto vale nossa aparência, quanto nós podemos gastar pra ficar mais bonitinhos. Ninguém faz plástica pra si mesmo. No fundo a pessoa quer é que outras pessoas reparem no que ela fez, em como ela tá bem vestida hoje, em quantos mililitros de silicone ela pôde comprar pra aumentar os seios.

Somos o que somos diante de Deus. Você é assim, barrigudo, careca, alto demais, porque é. Quando você, quando nós entendermos que nossa aparência espelha nossa alma, e que nossa alma só tem significado quando em comunhão com Deus, o fato de eu ser cheio de rugas na cara, ter um olho torto ou orelhas desproporcionais à minha cabeça não terá importância alguma… pois eu sou imagem e semelhança Dele. E Deus, que é o Amor, dá a tudo isso que eu sou, real significado.

Mesmo eu parecendo um cotonete…

Ósculos e amplexos!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: